Like A Girl

Pushing the conversation on gender equality.

Code Like A Girl

Café Com Dev

Nunca me imaginei escrevendo sobre esse tema, mas depois de perceber que em algum momento essa prática fez sentido em 4 empresas diferentes, penso que faz sentido compartilhar a experiência.

Há quase um ano atrás, meu primeiro teach leader propôs que fizessemos um Café Com Dev, e ele explicou que era uma prática que o time dele na empresa anterior fazia. Essa proposta veio após um momento de muita pressão pro time — precisávamos de um respiro. Não vamos entender “respiro” como sendo uma perda de tempo, mas sim como uma condição necessária para autoavaliação — como a própria Retrospectiva, do Scrum, propõe.

Nós não entendemos muito bem a sugestão, a princípio (parecia uma desculpa pra comer haha), mas com o passar do tempo começamos a comentar “faz tempo que não fazemos um Café”, “vamos fazer o Café amanhã?”.

https://goo.gl/2VuXpZ

Trata-se de um momento de ter uma conversa despretensiosa com o time, sobre um tema não necessariamente técnico, enquanto partilham um lanche, com o propósito de fortalecer / aproximar o grupo e nos transformar em pessoas melhores.

Uma tentativa de fazer com que nos tornemos mais do que profissionais inquietos — pessoas inquietas.

A dinâmica é cada um trazer algo pra partilhar (ex.: suco, pães, bolos…), e alguém jogar um tema — coisas como metas de vida, ansiedade, CNV, diversidade. Pronto! A receita perfeita pra uma conversa acalorada regada à um bom lanche.

Os temas podem variar de acordo com a maturidade e momento do time / empresa, pode até ter relação com acontecimentos próximos.

O horário fica a critério do grupo — pode ser às 16h, por exemplo — , bem como a frequência e duração.

Apesar do nome, não precisa ter café de fato envolvido… pode ser chá ou outros lanches que as pessoas gostem. E também não é aberto apenas para Devs.

Um amigo meu me contou que na antiga empresa dele adotaram uma ideia parecida, mas chamava Café Filosofal… trouxe a ideia para o local que trabalho atualmente e mantivemos o nome. Na verdade, o nome do evento é o que menos importa, e sim o impacto que ele causa.

Com a correria do dia-a-dia, podemos nos tornar apáticos frente a situações que nos cercam; além de tampouco conhecermos nossos colegas de equipe — afinal, levamos uma vida inteira para conhecermos a nós mesmos. Imagina quantas descobertas podem ser feitas?

Lembro de por várias vezes me sentir mais calma após esse evento, por reafirmar através dele que não estou sozinha, e por lembrar que anseios que tenho hoje são tão meus — de uma desenvolvedora Junior — quanto foram e muitas vezes ainda continuam sendo de pessoas mais Plenas e Seniores, nas quais me inspiro diariamente.

Também aconteceu de um recém-chegado na empresa ver no Café uma das primeiras oportunidades de se sentir à vontade junto ao time. Ou de pessoas bem mais experientes trocarem ideias sobre situações passadas em suas carreiras, e ser maravilhoso ver que aquilo foi superado e absorvido como aprendizado.

Essa iniciativa vem como um esforço de lembrar que podemos fazer melhor, todos os dias. E tem dado certo.

Siga a tag codelikeagirlBR para ver nossos posts! 😀

Quer escrever ou traduzir artigos em português para a Code Like A Girl? Se você já faz parte do time de escritoras(es) da Code Like A Girl basta enviar seu artigo diretamente para nossa publicação. Se você ainda não faz parte do nosso time, envie uma mensagem direta para a conta de twitter CodeLikeAGirlBr. Nós avaliaremos seu artigo e ajudaremos a refiná-lo para publicação.