Like A Girl

Pushing the conversation on gender equality.

Code Like A Girl

O mito da “garota tech descolada”

E porque ela é perigosa

(original em Inglês publicado pela Sarah Stockdale, como vocês podem ver aqui)

Nos meus vinte e poucos anos, experimentei ser a “garota tech descolada”. Quando você está no comecinho da sua carreira e é uma das únicas mulheres em uma startup, é fácil cair nessa armadilha. A garota tech descolada é semelhante ao que Gillian Flynn escreveu em seu livro “Garota Exemplar” — aqui está a descrição dela:

Ser a garota descolada significa que eu sou uma mulher gostosa, brilhante e engraçada, que adora futebol, poker, piadas sujas e arrotar, que joga videogames, bebe cerveja barata, ama ménage à trois e sexo anal e enfia cachorros-quentes e hambúrgueres na boca como se estivesse recebendo o maior festival de culinária do mundo, enquanto se mantém num tamanho 36, porque Garotas Descoladas são, acima de tudo, gostosas. Gostosas e compreensivas. Garotas Descoladas nunca se irritam; Elas apenas sorriem de uma maneira amorosa e deixam seus homens fazerem o que quiserem.

Vá em frente. Me culpe. Não me importo. Eu sou a garota descolada.

Essa última linha diz tudo: Vá em frente, me culpe, não me importo, eu sou a garota descolada.

A garota tech descolada joga pingue-pongue, bebe cerveja no trabalho, é “um dos caras”, participa de threads com .gif inadequados no Slack, diz coisas como “ela está exagerando”, “eu não me considero feminista, eu só trabalho duro”,“nunca sofri discriminação no trabalho”. A garota descolada não liga pra declarações sexistas, ela ri das “piadas”, ela defende você de outras mulheres e ajuda a silenciá-las. A garota descolada é “um dos caras”.

Vá em frente, me culpe, e culpe eles, não me importo, eu sou a garota descolada.

Como no livro da Flynn, a garota tech descolada é um mito. Ela é um mecanismo de enfrentamento, não uma pessoa real. Ao criar ambientes que não fazem as mulheres se sentirem seguras, estamos forçando elas a lidar com isso, refletindo as normas patriarcais que as oprimem — como um espelho todo distorcido. Se identificar fortemente com as pessoas que te botam pra baixo para “lidar” é um mecanismo de enfrentamento antigo para mulheres e pessoas de cor.

Se você não se sente seguro para ser você mesmo, você encontrará alguém seguro para ser.

A metáfora da “garota descolada” é ainda mais complicada quando se considera raça. Como uma mulher branca heterossexual operando em um espaço de imenso privilégio, esta é uma personagem disponível para mim. Eu reconheço plenamente que pode não ser uma máscara disponível para todas as mulheres — o sexismo é composto e pode se manifestar de forma muito diferente para as mulheres de cor.

Nós temos que parar de deixar as pessoas pensarem que “a garota tech descolada” existe

Eu sabia que a personagem da garota descolada estava me prejudicando anos atrás, quando eu comecei a experimentar um sexismo assustador, — do tipo que envia mensagens sexuais irritadas e te segue até em casa. Meus amigos homens, os da “garota tech descolada”, olhavam seus sapatos e continuaram a sair com o cara que me assustava. “Ahhh, tenho certeza de que ele não quis dizer/fazer isso”.

Eu não durei muito tempo como a gatora descolada, o meu alerta foi real.

A garota tech descolada é um mito tóxico, ela ajuda os homens a se sentirem seguros em seu sexismo. Ela permite a persistente e perpétua discriminação de gênero em nosso campo. Ela está machucando você, a mim, e ela já precisa se mandar JÁ!

Quando as notícias falaram (eu reviro os olhos enquanto escrevo isso), que um membro do conselho da Uber fez um comentário sexista sobre as mulheres em conselhos em uma câmara municipal sobre o sexismo na Uber (facepalm) — vi homens escreverem em tópicos de comentários “ele provavelmente pensou que era OK, ele provavelmente é amigo de Arianna e pensou que ele poderia ser engraçado, era só uma piada”.

Leia: ele pensou que você era todas garotas descoladas e você ficaria OK sobre isso.

Como comunidade, precisamos mandar essa metáfora pro espaço. Eu não sou uma autoridade, mas tenho algumas ideias sobre como todos nós podemos ajudar (homens incluídos):

Mentore jovens mulheres em tech

Seja um modelo a seguir de como você pode liderar uma carreira de sucesso, ao mesmo tempo em que apoia mulheres, pessoas de cor, deficientes e colegas LGBTQ. Desafie as pessoas ao seu redor a melhorar e a fazer melhor. Quando você vê mulheres jovens experimentando a personagem da “garota descolada”, passe algum tempo conhecendo-as. Quanto mais mulheres se sentem empoderadas e apoiadas, menos precisaremos dessa personalidade prejudicial.

Aborde o sexismo casual na hora

Eu fui “a feminista” por anos, e não é mais fácil do que fingir ser legal — mas você se sente muuuuuuuuuito melhor. Quando você vê comportamento sexista, racista ou de merda na sua empresa, fale. Desafie normas e valores corporativos que possam levar a disparates sexistas. Se um dos seus valores corporativos for “agressividade”, comece lá.

Livre a sua empresa da tóxica bro-culture

Não recompense bons comportamentos com whisky, não tome todas na hora do almoço e não faça torneios de videogame ou de ping pong na sua casa. Não chame seus funcionários de “rockstars”. Exponha a situação e dê limites em alguns de seus canais internos do Slack. Se a sua empresa não perpetua o tipo de cultura que faz as mulheres sentir que precisam ser “um dos meninos”, elas não precisarão do mecanismo de enfrentamento da “garota tech descolada”.

Siga a tag codelikeagirlBR para ver nossos posts! 😀

Quer escrever ou traduzir artigos em português para a Code Like A Girl? Se você já faz parte do time de escritoras(es) da Code Like A Girl basta enviar seu artigo diretamente para nossa publicação. Se você ainda não faz parte do nosso time, envie uma mensagem direta para a conta de twitter CodeLikeAGirlBr. Nós avaliaremos seu artigo e ajudaremos a refiná-lo para publicação.