Like A Girl

Pushing the conversation on gender equality.

Code Like A Girl

Reflexões sobre meus 6 anos de carreira

Ontem o facebook me lembrou que no dia 7 de dezembro de 2011 eu estava começando meu estágio como QA na Infoglobo.

Foi aí que me dei conta que nunca escrevi sobre minha carreira, e acho que tá na hora né?

Escolhendo a área

Quando eu estava na faculdade não tinha ideia de que carreira seguir, até que chegou a hora de fazer o TCC. Na época o Josenildo Amorim tinha começado a trabalhar com testes e resolvemos formar dupla pro projeto falando desse tema, isso em 2011 mesmo. Eu estava acabando um estágio na área de Atendimento do SESC e precisava procurar outro.

Me inscrevi em alguns processos, fui reprovada em uns 3 e fiquei bem chateada, afinal de contas eu achava que só pelo fato de estar terminando a faculdade, encontrar um estágio deveria ser fácil.

O último processo foi esse da Infoglobo onde eu podia escolher uma área pra entrar e calhou que eles estavam começando com a Célula de QA lá. Resolvi ver que bicho que dava e acabei passando.

Era Infoglobo

Em 2011 a área de Testes/QA era bem diferente do que vemos hoje, a maior parte das pessoas trabalhava com testes manuais e Waterfall.

Quando eu cheguei na Infoglobo vi que a área lá era bem diferente do que eu imaginava, eles já trabalhavam com desenvolvimento ágil, automação de testes e outras boas práticas de mercado. Tive que estudar bastante sobre negócio e desenvolvimento, porque além de contribuir com os produtos eu também ajudava na parte de automação de testes de interface e performance.

Fiquei na Infoglobo quase 4 anos. Depois do estágio fui efetivada como analista e passei a trabalhar na área de DevOps. Durante um ano deixei um pouco a área de testes de lado e passei a me dedicar a automação de tarefas que fossem facilitar o dia a dia dos times, criar os pipelines de entrega e buscar as melhores práticas do mercado em relação a Continuous Delivery (tenho alguns materiais publicados sobre isso: https://goo.gl/j4gRLu, https://goo.gl/SBFZ3v, https://goo.gl/EVGwHe).

Sem dúvidas a base da profissional que sou hoje foi criada lá. Tive muito espaço para estudar e colaborar com a evolução da TI da empresa de forma geral.

Quatro pessoas foram muito importantes no meu desenvolvimento nessa época: Fabrício Yutaka Fujikawa que era coordenador da área e foi quem me contratou para o estágio, Renato com quem eu trabalhei durante os 4 anos na Infoglobo e foi meu sócio numa empresa de treinamentos, Cláudio Barizon que era Gerente de desenvolvimento e uma das pessoas que mais me motivou a estar na área e responsável pela minha efetivação na empresa e o Marcelo que foi meu coordenador durante o último ano que eu estive lá e com quem eu aprendi muito e tive a honra de compartilhar uma palestra no TDC.

Os eventos e comunidades

Em 2012 (eu ainda era estagiária na Infoglobo) fui no meu primeiro de Testes, o Test Day na PUC em São Paulo, foi onde conheci pessoalmente o Elias Nogueira e o Eduardo Freitas de Souza.

Test Day 2012

Eu seguia algumas pessoas no twitter e lia muitos blogs onde acabei descobrindo esse evento, foi inclusive minha primeira viagem sozinha de avião.

Fiquei encantada com a quantidade de profissionais da área e o tanto de conhecimento que foi compartilhado. Depois de voltar pro Rio eu tinha certeza que precisava me envolver mais com isso, foi então que eu participei da organização do Rails Girls 2012.

A experiência foi incrível e além disso conheci mulheres incríveis que eu admiro demais: Desiree, Jac Abreu Lopes, Vivi SZampieri – Bike na Pista, Val Parajara e Anna "Yui" Cruz. Além de ter conhecido a galera do Ruby On Rio.

Rails Girls 2012

Ajudei a organizar o Rails Girls em 2015 e 2016 também, pra quem quiser saber mais tem um texto meu sobre isso:

Rails Girls 2016 — We Can Do It!

Depois disso conheci o Rio Agile , onde eu dei minha primeira palestra em 2013.

Além de palestrar eu passei a ajudar na organização durante o ano de 2014 e também conheci pessoas muito especiais como a Annelise Gripp, Marcelo Neves, Ester Lima de Campos, Rafael Nascimento e Sidney Lima Filho.

Depois disso eu organizei e palestrei em outros muitos eventos mas queria destacar só mais um que foi o Women Techmakers Rio.

Tem um post meu falando dele também, mas eu queria aproveitar para destacar mais mulheres incríveis que entraram na minha vida: Paula Grangeiro, @darlenedms, Bianca Rosa e Dayany Espíndola.

Women Techmakers Rio

Foi depois do WTM que criamos o http://insideoutproject.xyz/ e organizamos mais um monte de eventos de diversidade. ❤

No RJ ainda ajudei no início de dois grupos de meetup: GTC e Devops Carioca com a parceria do André Mendes, Stefan Teixeira, Luiz Coelho e Josenildo Amorim.

Agile Testers

Em 2015 eu comecei a ajudar no http://agiletesters.com.br/, um fórum sobre testes ágeis que o Leonardo Galani criou uns 4 anos atrás.

Sem dúvidas hoje o AT é como um filho pra mim e eu fico muito orgulhosa de ver quantas pessoas estão lá compartilhando conhecimento e fazendo networking (mais de 2 mil usuários cadastrados).

Como se não bastasse ter o fórum, no reveillon de 2015 para 2016 tivemos uma epifania em meio as promessas de ano novo e resolvemos organizar a primeira Conferência Agile Testers.

epifania de reveillon

Em 2016 o ATC rolou em São Paulo e conseguimos arrecadar R$2657,00 em doações para Instituições de Caridade:

Slides e Fotos do Agile Testers Conference

ATC 2016 — SP

Pra 2017 o plano foi mais ousado: rodar o país em 10 capitais e suportar as comunidades locais de Teste de Software.

Foram 10 meses de muito trabalho e parceria com pessoas incríveis que ajudaram a fazer o evento acontecer. No final arrecadamos cerca de R$18 000,00 em doações. o/

Foi sem dúvidas a coisa mais incrível que me aconteceu esse ano.

Os muitos encontros da vida

Se me perguntarem do que eu mais me orgulho nesses 6 anos, tenho certeza que são as pessoas que eu conheci e as amizades que fiz. Nesse espaço quero contar alguns encontros e desencontros da minha carreira que foram muito importantes pra mim.

A madrinha: eu conheci a Vivi SZampieri – Bike na Pista e o @vagnerzampieri no Rails Girls em 2012 e 2 anos depois, em 2014, fui madrinha de casamento deles.

Minha Minion: eu não lembro exatamente como comecei a falar com a Kamilla Queiróz mas sei que nos conhecemos pessoalmente em 2015 quando ela veio trabalhar na Concrete no RJ. Eu ainda trabalhava na Infoglobo e cuidei da recepção da Milla aqui. A estadia dela durou pouco e ela acabou indo para Porto Alegre. O mais engraçado é que no ano seguinte eu fui trabalhar na Concrete (na época eu nem sabia da existência da empresa) e em 2017 nos esbarramos pelos 4 cantos do país tocando o ATC. Nesse caso foi um desencontro e muitos encontros.

Fredão: também não lembro do momento em que comecei a falar com o Frederico Moreira, mas nos conhecemos pessoalmente no primeiro MTC em 2015. Depois disso fui nas 3 edições que aconteceram e hoje eu e o Fred dividimos a gestão da área de QA da Concrete.

Well: eu conversava com o Wellington Avelino pelo facebook e acabamos nos conhecendo pessoalmente numa das minhas idas a SP para palestrar. Ele já trabalhava na Concrete e foi uma das pessoas que eu conversei bastante pra saber como era a empresa antes de entrar.

Era Concrete

Em 2016 apareceu a oportunidade de ir pra Concrete e foi uma decisão bem difícil, eu sempre fui muito insegura em relação a minha carreira e eu tinha muito medo de não atender as expectativas que as pessoas depositavam em mim.

Mesmo tendo passado no processo seletivo eu ainda fiquei um tempo refletindo se realmente valia a pena fazer a movimentação e no final das contas eu resolvi arriscar.

Entrei na Concrete como QA para um projeto no RJ, depois de 5 meses fui para um projeto em SP, me tornei Líder de Capítulo e agora em 2017 Gerente da área.

Sem dúvidas o espaço que foi me dado na Concrete contribuiu muito para isso, além é claro de todas as pessoas que me apoiaram. Participei de 2 times fantásticos e tive o direcionamento de três pessoas que foram fundamentais para eu estar onde cheguei hoje, o Alexandre Bairos, Flávio Lages e a Andressa Chiara (melhor entrevista da minha vida com certeza).

Um ano e meio atrás quando eu entrei na empresa éramos cerca de 10 QAs no RJ e SP e hoje somos cerca de 40, entre RJ, SP, BH e futuramente Recife. É incrível ver o quanto a área vem crescendo e o tanto de pessoas boas que temos aqui hoje. Tem sido um desafio diário lidar com pessoas, projetos e clientes, mas a quantidade de aprendizado não se compara.

TOT

Hoje eu participo do TOT junto com outras pessoas incríveis (só tem gente incrível na minha vida): Andressa Chiara, Day Andrade, Marco Dubovski, Flavio Nazario e Renan Melo. A iniciativa tem o objetivo de ajudar as pessoas e levar conhecimento.

ToT – Team of Thought

Hoje, Amanhã e Sempre

Foi incrível ter essa lembrança e ver o filme passando na cabeça: cada decisão, cada passo certo e os errados também, cada pessoa que esteve nessa trajetória comigo e cada um desses momentos.

Hoje eu sou muito realizada com a minha profissão (o que não significa que não existam momentos de insegurança, eles sempre aparecem) e com toda essa trajetória.

Que venham os próximos 6 anos 🙂

OBS: Vocês sabiam que minha primeira escolha de profissão foi Direito?

Ainda bem que não deu certo 😀

Diquinhas do final ❤

Você pode ser o que você quiser e alcançar qualquer lugar que desejar.

Infelizmente não vai ser fácil o tempo todo, mas se cerque de pessoas incríveis, peça ajuda e seja você mesmo.

Lembre que não existem heróis, somos todos pessoas comuns, seguindo um dia depois do outro e lutando nossas batalhas.

Essa é a história da minha batalha, estou doida pra ler a sua 🙂

Siga a tag codelikeagirlBR para ver nossos posts! 😀

Quer escrever ou traduzir artigos em português para a Code Like A Girl? Se você já faz parte do time de escritoras(es) da Code Like A Girl basta enviar seu artigo diretamente para nossa publicação. Se você ainda não faz parte do nosso time, envie uma mensagem direta para a conta de twitter CodeLikeAGirlBr. Nós avaliaremos seu artigo e ajudaremos a refiná-lo para publicação.